Reginaldo Júnior
 
Pateta é o povo! 
 
  Essa história é velha conhecida de todos nós: um ano atrás, o deputado federal Roberto Jéfferson - hoje cassado -  reproduziu, na Câmara Federal, a denúncia de compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional feita por integrantes do governo do presidente Lula. O famoso "mensalão"!

  E Lula disse que não sabia de nada!

Um dos integrantes dessa máfia, o sr. José Dirceu, antigo ministro-chefe da Casa Civil e homem forte do presidente Lula, em fala na CPI dos Correios, disse que ninguém tinha nada provado contra ele, e que todas as denúncias do deputado eram falsas.  Roberto Jefferson então questionou, ironicamente: “Todos mentem!...”

  Pouco tempo depois, José Dirceu foi cassado pelos colegas deputados que estavam sendo cobrados pelo povo e pela imprensa. A repercussão do escândalo ainda era grande.

  Logo a seguir - você se lembra! - o dono de um restaurante do Congresso Nacional denunciou um esquema de propina na Câmara dos Deputados: o famoso "mensalinho", propina cobrada pelo então presidente Severino Cavalcanti.

Severino, com todo seu folclore, também desmentia a acusação. Chegou a chamar o empresário de louco. Mas logo se viu obrigado a renunciar a seu mandato de deputado federal.  Não foi por acaso.

  Dos 40 parlamentares denunciados no famoso mensalão apenas três foram cassados!

  O povo parece ter se esquecido ou se resignado diante da imensa fábrica de pizzas em que se transformou a Câmara Federal.

  Até parte da imprensa perdeu o interesse pelo caso diante da banalização das denúncias e da pouca-vergonha em que se transformaram as votações que decidiriam as cassações de parlamentares - com direito, até, à dança da deputada descarada.

  De vergonha em vergonha, chegou-se à invasão e depredação da Câmara Federal por integrantes do MLST.

  Ao responder a uma pergunta do jornalista Paulo Beringhs em seu programa de domingo passado pela TV Goiânia sobre essa sucessão de desmoralizações, o deputado estadual Fernando Netto (PMDB) lembrou que Bruno Maranhão, um dos líderes da invasão, assim como José Dirceu, Delúbio Soares, Silvinho Pereira e José Genoíno, eram da "cozinha" do presidente Lula.

  E arrematou: “O Lula é o que eu costumo dizer: o Mickey sabia, o Pato Donald sabia - só o Pateta que não sabe!”

  Após mais essas tristes lambranças da política no Brasil chego à seguinte conclusão:
  
  - Nobre deputado, Pateta, na verdade, é o povo!
 
 
 
Outras colunas:
 Vai ficar assim???
 Onde será a próxima invasão?
 Teclando com o inimigo
 
Desenvolvido por